34ª Festa da Penha contou com participação especial de Dom Walmor, arcebispo de BH

em

Nossa Senhora da Penha, ela que tem em sua iconografia elementos comuns às imagens que retratam a mãe de Jesus, mas que se difere não somente pela presença do lagarto, da serpente e da penha (um rochedo), mas pela humanidade apresentada no peregrino, aquele que com ela sonhou e não cansou de buscar até encontrá-la. 

31422198868_0cdbf7e5ae_kPróximos de concluir o Ano do Laicato, a comunidade Nossa Senhora da Penha celebrou seus 34 anos de fé e vida, no último domingo (14), bem perto daquilo que pede o Evangelho e o Papa Francisco: uma Igreja em Saída, em constante estado de Missão. Iluminada pelo encontro de Maria com Isabel e também pelo exemplo de perseverança do peregrino, a comunidade festejou “A Alegria de Servir”. 

Foram 15 dias de festejos e de partilha, de encontro e de alegria, de uma igreja nas ruas e nas casas de sua gente! Como peregrinos em busca de algo maior, a comunidade celebrou sete missas nas casas e ruas dos setores do Palmital e também no Nova Conquista, além da já tradicional missa de Nossa Senhora Aparecida na quadra da Praça da Savassi.

Foi uma festa na qual o peregrino, o humano, o leigo e a leiga foram trazidos para o centro das atividades, com um só objetivo: de serem servidores da Evangelização e da Paz, mandato confiado a cada cristão e cristã, como bem diz o ministro da comunidade, Adezil de Farias, “somos todos batizados e batizadas na e para a missão”. 

O encontro

Este tempo festivo foi também comemorado pelas comunidades irmãs que compõem, junto à Penha, a Paróquia Santíssima Trindade. Nos dias 30 de setembro e 7 de outubro, todas elas se fizeram presentes para animar e compartilhar conosco da alegria do Encontro ao redor da Mesa da Eucaristia. Cada uma do seu jeito nos presentou com belas celebrações e a elas o obrigado da comunidade católica do Conjunto Palmital. 

Por falar em celebrações, não podemos deixar de recordar com alegria do Ofício Divino das Juventudes, no sábado (7), que homenageou as Marias da Comunidade, mulheres que no dia-a-dia dedicam suas vidas à vida do próximo, e também a Celebração da Luz, no dia 13, que foi uma oportunidade de todos juntos contemplar a face mais amorosa de Jesus Cristo, Ele que nos deixou melhor mensagem que é o “Amor-Serviço” aos que mais precisam.

A Caminhada

O Evangelho recorda que Maria foi ‘apressadamente’ ao encontro de sua prima Isabel, ao saber que ela estava grávida, mesmo já estando com o Messias Prometido em seu ventre. A caminhada, ou melhor, as caminhadas feitas por nossa gente e também pelos missionários nos mostraram o quanto é bom sair às ruas, ir às casas do povo para os quais nos foi confiada a missão de ajudá-los a ter o encontro real com Jesus, nossa alegria.

Tivemos a alegria de contar com a participação de doze missionários, vindos da Paróquia Santo Antônio de Pádua, de Iconha (ES), na qual o  padre Passos SJ está hoje pároco e que em 2016 e 2017 receberam integrantes da Penha, como missionários. Com muita alegria e disponibilidade, com o jeito capixaba de ser, vieram ‘apressadamente’ e logo foram ao encontro da nossa gente. 

Além de caminhar entre um setor e outro, de visitar e celebrar nas casas e ruas, a 34ª Festa de Nossa Senhora da Penha preocupou-se em fazer com que a mensagem de esperança, de vida e de paz, que é Jesus, também fosse anunciada nas regiões de maior vulnerabilidade.

Os missionários caminharam e fizeram visitas na sexta (12) e no sábado (13) às famílias nas regiões do alto do Nova Conquista, no córrego atrás da Avenida Amália, no Campinho do Setor 5 e também na região da Vila das Antenas. 

Pouco depois de pegar a estrada rumo ao Espírito Santo, a missionária Neia escreveu à comunidade. “Quero agradecer todo o carinho desta comunidade para comigo. Foram dias de aprendizado e alegria… estou muito feliz por esta experiência de amor! Que Deus em sua infinita bondade nos abençoe sempre!”, concluiu.

Também a procissão, que teve início na Praça Nadir Figueiredo, revelou o quanto é bom termos leigos e leigas dispostos a dar seu testemunho de fé ao bairro na qual vivenciam os desafios diários de sua humanidade. Na caminhada, acelerada a pedido, a comunidade rezou pela saúde dos que não podem ir à igreja e também pelos que encarcerados estão, a fim, de que um dia possam voltar recuperados ao convívio social e comunitário. 

Tínhamos o desejo de passar pela praça da Savassi, coração do bairro Palmital, no entanto, a sujeira deixada pelos feirantes torna impraticável a procissão por ali. É um apelo que a comunidade faz para que os responsáveis cuidem mais daquilo que é de todos nós. 

Os festejos

Se é festa na Penha, claro que teve Baile Retrô, teve Bingo e teve o Torneio de Queimada. Melhor ainda, foi saber que muitas pessoas se divertiram com a gente nestes espaços feitos para que dessemos o testemunho de que o Cristão é povo “que canta, que reza, que luta, que ama e nunca se cansa”. 

O Baile Retrô foi uma noite maravilhosa, na qual os jovens presentearam com uma seleção musical repleta dos ritmos que embalaram a turma dos anos 60, 70 e 80, não deixando de fora as famosas dos anos 90 e 2000. Já no Bingo, tivemos a alegria de entregar o valor de R$ 1.034 para uma só vencedora, integrante da comunidade-irmã Nossa Senhora da Guia.

Já o Torneio de Queimada foi mais uma vez vencido pelos meninos (e meninas) da Avenida Yolanda Teixeira da Costa. Com times das comunidades Nossa Senhora da Guia e Bom Jesus e o da Penha, a atividade foi bonita e nos fez crer que é preciso trabalhar ainda mais por uma cultura de paz e de despojamento das diferenças.

E, por fim, ao final a Solenidade de Nossa Senhora da Penha as mais de 500 pessoas que dela participaram tiveram mais um tempo de convivência com a partilha de bolo e a entrega das canecas como lembrança e um convite para que os presentes diminuam o uso de copos descartáveis nas atividades da comunidade e também na vida diária. 

A partilha  

Com liturgia do 28º Domingo do Tempo Comum, dom Walmor Oliveira de Azevedo, arcebispo de Belo Horizonte presidiu a eucaristia em comemoração aos 34 anos da comunidade e em homenagem à padroeira Nossa Senhora da Penha. O bispo desejou saúde e paz ao povo ali reunido e em sua homilia destacou a importância da sabedoria e do diálogo para que a vida humana, comunitária e social sejam bem vividas em todo o país. 

Confira a homilia completa no áudio abaixo

Claro que não poderíamos deixar de falar das missas de setor, rica experiência na Festa de Nossa Senhora da Penha. Há seis anos este tem sido o formato da preparação da comunidade para verdadeiramente louvar a Deus, por sua padroeira. Foram sete as casas abertas para que os fieis contemplassem as alegrias de Maria, além, é claro, da missa na igreja e da missa na Praça da Savassi. 

Do Setor 1 ao Setor 6, no Nova Conquista e na Praça da Savassi, os fieis puderam caminhar e conhecer ainda mais sobre a vida no bairro Palmital. O subir e descer morros, o caminhar por entre ruas sem infraestrutura, o alegrar-se com a acolhida oferecida pelas famílias: tudo isso nas missas de Setor, assim como bem afirmou o Sr. Valdir Marques.

“Bom mesmo é celebrar como as pessoas que estavam na casa do Setor 6, gostei de vê-los entre um pé de manga e um pé de café. É em comunidades assim que gosto de celebrar a missa, como uma grande família ao redor do Altar do Senhor”, ressaltou.

Preparadas pela equipe de Liturgia e em diálogo com os grupos de Círculo Bíblico, as missas foram oportunidade para que os padres Donizetti, Roberto, Delmar, Moisés e Edison tivessem um bonito encontro com as famílias da comunidade Nossa Senhora da Penha. Ao final deste percurso, alimentos não perecíveis foram doados como gesto concreto. 

A missa solene foi concelebrada pelo padre Roberto Albuquerque SJ, vigário paroquial e também pelo pároco da Santíssima Trindade, padre Donizetti Venâncio SJ.

Ao final de todas as atividades, cerca de 40 lideranças se reuniram no Espaço Providência (nome dado ao salão de baixo em homenagem às Irmas da Providência de Gap) para um momento de partilha agradecida e a oração de conclusão desta etapa da Festa, pois logo teremos mais duas atividades:

  • 8º Encontro do Ano Inaciano 
    Experiência de “La Storta”
    Domingo, 21 de outubro, às 16 horas.
  • Oração do Santo Terço
    em favor da Unidade na Igreja
    Domingo, 28 de outubro, às 7h e às 19h 

Logo mais, estarão todas as fotos (de todo o percurso festivo) em nosso Flickr. No entanto, confira os álbuns das missas Solene e de Nossa Senhora Aparecida. Clique aqui.

Contribuíram com a publicação: Fotos: Carla Barbosa, Clayton Henrique e Marcelo Barbosa. Texto: Marcelo Barbosa. 

Obrigado por comentar e compartilhar.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s